http://proclima.cetesb.sp.gov.br

Estudo de Baixo Carbono para o Brasil – Resíduos

Após dois anos de trabalho, a CETESB e o Banco Mundial apresentam o resultado de uma cooperação que desenvolveu o primeiro Cenário de Baixas emissões de Carbono para o Brasil do setor de resíduos e efluentes. Neste documento, além da apresentação da situação do saneamento no Brasil, são enumeradas as principais técnicas de tratamento e disposição de resíduos e efluentes, alguns aspectos da legislação e da política de saneamento brasileiros, além dos principais programas na área de saneamento em vigor.

A expressão “Baixo Carbono” se refere às mudanças tecnológicas e comportamentais que devem ser induzidas pelo processo que visa mitigar as mudanças climáticas globais. Mantendo o desenvolvimento da economia mundial, a humanidade deve encontrar, dentre as tecnologias novas ou existentes, novos caminhos – aqueles de “Baixo Carbono”, com emissões de GEE menores que as atuais. Com isso, deve ser implementado o desenvolvimento sustentável, que por ser de “Baixo Carbono”, ameniza as mudanças climáticas globais. Na expressão, a palavra “Carbono”, deve ser interpretada como sendo todos os gases de efeito estufa. Dentre eles, o Dióxido de Carbono – CO2 que é o mais abundante e, por simplificação, muitas vezes apresentado apenas como “Carbono”. Assim, “Baixo Carbono” significa menores níveis de emissões dos GEE.

Nesse contexto, o tratamento de resíduos que emite gases de efeito estufa – GEE pode ter menores níveis de emissões contribuindo para a mitigação das mudanças climáticas globais. No país, sem nenhuma interferência visando o Cenário de Baixo Carbono, há uma tendência de elevação dessas emissões de 63 para 99 [106tCO2e] (milhões de toneladas de CO2 equivalente) no período entre 2010 e 2030, o que significa um aumento percentual da ordem de 57%. O Cenário de Baixo Carbono avaliado pela CETESB mostra que, mantendo as condições de desenvolvimento e a um custo de 1 dólar por tonelada de CO2equivalente evitada, é possível evitar emissões no ano de 2030, passando das previstas 99 para 18 [106tCO2e], ou aproximadamente 80% de redução.

Lista Eletrônica de Debates: ozonio@cetesbnet.sp.gov.br